Gilmar Mendes liberta três executivos presos na Operação Ressonância - O Democrata - O Democrata O Democrata - Noticia toda hora

Gilmar Mendes liberta três executivos presos na Operação Ressonância

Todos são investigados por participar de esquema de fraudes em licitações na Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro

Política

2 semanas atrás

 O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, mandou soltar entre a segunda (6) e a terça-feira (7) três presos em um desdobramento da Lava Jato do Rio, a Operação Ressonância, deflagrada em julho.

Receberam habeas corpus Daurio Speranzini Junior, principal executivo da GE para a América Latina, e os empresário Miguel Iskin e Gustavo Estellita.

Os três tinham sido denunciados em acusação apresentada na terça por procuradores do Rio de Janeiro sobre fraudes a licitações no Into (Instituto Nacional de Traumatologia) e na Secretaria Estadual da Saúde do Rio.

As investigações sobre Speranzini se referem principalmente ao período em que ele dirigiu a Phillips Medical no Brasil, até 2010.

“Ora, se a Philips é a investigada, e o paciente não é mais seu CEO, não ficou demonstrado, no decreto de prisão, como o paciente conseguiria dar continuidade, até os dias atuais, às supostas irregularidades praticadas no âmbito da empresa da qual já se retirou”, escreveu Gilmar, em sua decisão.

A prisão foi substituída por medidas alternativas, como proibição de manter contato com investigados e de sair do país.

Iskin, que havia sido preso no ano passado e liberado também por habeas corpus de Gilmar, é apontado como o organizador de fraudes em pregões internacionais.

Ao decidir sobre os casos de Iskin e Estellita, o ministro do Supremo afirmou que a prisão decretada pelo juiz Marcelo Bretas não indica elementos que confirmem que os crimes continuam a ser praticados pelos suspeitos.

Fonte: Notícias ao Minuto
últimas noticias
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade