Mensagens revelam como jovens vendiam drogas caras em “loja virtual” - O Democrata - O Democrata O Democrata - Noticia toda hora

Mensagens revelam como jovens vendiam drogas caras em “loja virtual”

Quatro universitários são acusados de vender entorpecentes importados, como LSD líquido. Eles tratavam drogas como “passaporte da felicidade

Regional

5 dias atrás

Jovens universitários de classe média, moradores do Plano Piloto, foram presos na manhã desta quinta-feira (11/10) acusados de tráfico de drogas. O comércio ilegal era feito com ajuda de um aplicativo de celular. Na lista de transmissão do WhatsApp, os traficantes mantinham uma “lojinha virtual”, com preços e os tipos de entorpecentes caros e importados, chamados por eles de “passaporte da felicidade”.

Fotos e vídeos eram enviados aos clientes para mostrar a qualidade dos entorpecentes. Os traficantes vendiam apenas drogas sintéticas e maconha gourmet, potencializada e cara. Quatro acusados foram presos pela Polícia Civil do DF (PCDF) nesta quinta (11).

A investigação teve início com a prisão de um homem na 2ª fase da Operação Theya, coordenada pela 1ª Delegacia da Polícia (Asa Sul). Nesta terceira fase, cerca de 80 policiais cumpriram 10 mandados de busca e apreensão.

Os quatro jovens foram presos durante a ação. À polícia, eles informaram que a droga encontrada com eles era para consumo próprio. O delegado-chefe adjunto da 1ª DP, João de Ataliba Neto, confirmou que os investigados têm 18 e 30 anos, são de classe média, e, em regra, estudantes universitários que não precisam do dinheiro do tráfico.

São usuários de drogas que também as revendem para sustentar o próprio vicio e obter lucro. Percebemos que eles ganham um certo status em meio aos usuários e ostentam em festas. As drogas comercializadas são mais potentes que as tradicionais, por isso, mais caras

João de Ataliba Neto

Um dos entorpecentes é o LSD líquido. Apenas uma ampola é comercializada por até R$ 1,3 mil. Os investigados também vendiam o alucinógeno em forma de cristal.

Além de maconha e das drogas sintéticas, a Polícia Civil apreendeu R$ 9,7 em espécie. Os presos foram identificados como Luis Henrique Araújo Silva, 19 anos; Matheus Silva Cabral, 23; Ageu Lucas Silva, 27; e Vitor Silvestre da Costa, 20. Um outro suspeito não foi localizado pela polícia, pois está em Alto Paraíso (GO).

Roleta-russa
No último fim de semana, o Metrópoles mostrou que, a cada seis dias, uma nova droga sintética surge no mundo. Essas composições modificadas são comercializadas por traficantes como se fossem substâncias conhecidas, e a estratégia criminosa já chegou a Brasília. Uma delas é a n-etilpentilona, que matou a universitária Ana Carolina Lessa, 19, em 23 de junho de 2018.

O perito criminal da PCDF Luciano Arantes constata que, atualmente, apenas 5% dos selos apreendidos no DF são LSD. Dados do Instituto de Criminalística da PCDF mostram que, de 2009 a 2012, 100% das apreensões eram de LSD. Depois do primeiro semestre de 2013, o número caiu para 50%.

A partir de 2014, os peritos identificaram a comercialização dos NBOMes, conhecidos também como Smiles ou N-bombs, fortes alucinógenos sintéticos vendidos como alternativas ao LSD. Nesse grupo, estão a 25B-NBOMe, 25I-NBOMe e a 25C-NBOMe.

Todas essas substâncias submetem quem as usa a alto risco de overdose. Usuários relatam que, ao consumirem essas drogas, sentem grande confusão mental, coração acelerado e alucinações. Em 2014, a Anvisa incluiu 11 tipos de NBOMes na Portaria n° 344. Em 2016, também foi identificada a família NBOH: 25I-NBOH e 25B-NBOH, além do DOC.

Também conforme o Metrópoles mostrou em reportagem recente, de olho no alto poder aquisitivo de usuários do Plano Piloto, Lago Sul e Lago Norte, traficantes do Distrito Federal passaram a apostar no tráfico de ervas geneticamente modificadas. As chamadas maconhas gourmet apresentam notas de limão, framboesa, cereja e de chocolate.

Investigações conduzidas pela Seção de Repressão às Drogas (SRD) da 1ª DP traçaram o perfil de compradores e de criminosos, além de terem identificado as principais variações que estão infestando festas na capital da República. As apurações policiais apontam que apenas um grupo seleto de usuários consegue acesso a esse tipo de maconha.

Uma pequena porção chega a custar R$ 1,4 mil. Ao contrário do produto vendido nas ruas e em bocas de fumo, as substâncias gourmet são negociadas em rodas de amigos. “Em quase 100% dos casos, quem vende e quem compra se conhece. Portanto, eles acreditam que se trata de uma transação segura”, explica o delegado-chefe adjunto da 1ª DP, Ataliba Neto.

Fonte: Metrópoles
últimas noticias
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade