ODemocrata

A reação de Bolsonaro após Cid apontá-lo como mandante das joias

Em sua casa, em Brasília, Bolsonaro recebeu a notícia de que será apontado por Mauro Cid como o mandante do esquema de venda de joias

Bolsonaro fala com a imprensa após desembarcar em Brasília - Metrópoles

Em sua casa, em Brasília, Bolsonaro recebeu a notícia de que será apontado pelo tenente-coronel Mauro Cid como o mandante do esquema de venda de joias que recebeu quando presidente. Disse, em tom de lamentação, jamais esperar que o dedo de seu ex-ajudante de ordens se voltasse contra ele. Mais jovem, Cid costumava chamar Bolsonaro de “tio”, dada a relação entre seu pai, o general Lourena Cid, e o ex-presidente.

Bolsonaro atribuiu a acusação a uma estratégia traçada pelo novo advogado de Cid, Cezar Bittencourt. E avaliou que o militar, preso em maio, teria aceitado seguir a linha de defesa com objetivo de se livrar do cárcere.

Estojo entregue ao ex-presidente Bolsonaro contendo kit com relógio com pulseira em couro, par de abotoaduras, caneta rosa gol, anel e um masbaha rose gold, todos da marca suíça Chopard.

Bolsonaro Vazamento Tenente-coronel do Exército Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, fica em silêncio durante sessão da CPMI do 8 de Janeiro - Metrópoles

Essa mesma pressão estaria sendo exercida sobre Max Guilherme e Sérgio Cordeiro, assessores de Bolsonaro detidos na mesma operação que alvejou Cid. Eles foram presos no âmbito do inquérito do STF que mira fraude em cartões de vacinação.

O advogado Cezar Bittencourt disse que Cid, militar, vendeu presentes que Bolsonaro recebeu por “obediência hierárquica”. Ao ler a reportagem da Veja publicada na noite desta quinta-feira (17/8), o ex-presidente reagiu.

Negou que tivesse dado ordem a Cid para vender os itens e afirmou não haver nenhuma prova que mostre o contrário. Contestou, ainda, a solidez do argumento de Bittencourt para tentar isentar o militar. Bolsonaro ponderou que, se existe a premissa da obediência hierárquica, existe também a de que ordem ilegal não se cumpre.

Mais sobre o assunto

Na noite desta quinta, Alexandre de Moraes autorizou a quebra dos sigilos fiscal e bancário do ex-presidente e de Michelle Bolsonaro. A Polícia Federal prepara o indiciamento do casal pelo suposto cometimento de crime de peculato.

O crime é caracterizado quando alguém se apropria de um bem público. O entendimento do Tribunal de Contas da União, desde 2016, é que presentes recebidos pelo chefe de Estado, no exercício da Presidência, não são de caráter pessoal. E devem ser incorporados ao acervo público.

Siga ODEMOCRATA no Instagram pelo link www.instagram.com/odemocrata
📰Leia e veja as melhores notícias do Distrito Federal, entorno de Brasília, Brasil e do mundo🌎dando ênfase para notícias regionais📍e de utilidade pública.
✔️ANUNCIE CONOSCO
🟩WhatsApp📱(61)98426-5564📱(61)99414-6986
✅Confira nossa tabela de preço. Fazemos permutas e parcerias🤝🏽
PORTAL DE NOTÍCIAS
📲ODEMOCRATA
🌎SEMPRE CONECTADO COM VOÇÊ🖥️

fonte:

Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *