9 de dezembro de 2023

Obra que levou 36 anos para ficar pronta vai melhorar o transporte de cargas no Brasil

Depois de erros técnicos, mudança de traçado, escândalos de corrupção e muitas inaugurações parciais, a obra Norte-Sul foi concluída pela empresa que opera no trecho central

Ferrovia Norte-Sul passa a funcionar ligando as regiões do país — Foto: JN

Depois de 36 anos, erros técnicos, mudança de traçado, escândalos de corrupção e muitas inaugurações parciais, a obra Norte-Sul foi concluída.

A ferrovia tem quase 2.300 quilômetros de extensão e foi dividida em duas partes. A primeira, pronta desde 2010, vai de Palmas, no Tocantins, a Açailândia, no Maranhão, com um custo de R$ 2,6 bilhões. Já o trecho de Estrela do Oeste, em São Paulo, ao Tocantins custou cerca de R$ 11 bilhões.

A ferrovia foi finalizada este ano, depois que a concessionária Rumo venceu o leilão e assumiu o lote em 2019.

Woodson Baltazar Silva, maquinista de 33 anos, nem era nascido quando a obra começou:

“Estou muito feliz de ser o primeiro aqui, nessa inauguração que é esperada por todo mundo. O coração tá batendo forte”.

É com ele que o Jornal Nacional embarcou no primeiro trem a percorrer o trecho goiano da ferrovia, com cerca de 280 km, o último a ficar pronto. Por isso, a viagem marca a interligação completa por trilhos entre quatro das cinco regiões brasileiras.

A operação é em caráter de comissionamento, autorizado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres. Isso significa que os trens podem rodar em velocidade reduzida. O Ibama deve fazer uma vistoria nos próximos dias.

A composição com 112 containers saiu de Cubatão, em São Paulo, na malha paulista, seguiu desbravando o centro do país – de paisagem plana, vegetação de Cerrado, pastos e áreas de lavoura -, levando defensivos agrícolas, algodão e peças importadas para fabricação de carros.

O destino dessa primeira viagem é o Porto Seco, de Anápolis, que passou por uma grande adaptação no último ano para abrigar um terminal de contêineres.

“É muito simbólica a passagem do primeiro trem sobre esses trilhos. Promove uma integração do país, com fluxos nos dois sentidos, tanto da cadeia agropecuária como da cadeia industrial, mas também conecta o interior do Brasil ao mundo”, afirma Guilherme Penin, vice-presidente de expansão da Rumo.

Uma locomotiva com 80 vagões pode substituir 170 carretas e fazer viagens longas. Ares de modernidade para um projeto tão antigo.

Siga ODEMOCRATA no Instagram pelo link www.instagram.com/odemocrata
📰Leia e veja as melhores notícias do Distrito Federal, entorno de Brasília, Brasil e do mundo🌎dando ênfase para notícias regionais📍e de utilidade pública.
✔️ANUNCIE CONOSCO
🟩WhatsApp📱(61)98426-5564📱(61)99414-6986
✅Confira nossa tabela de preço. Fazemos permutas e parcerias🤝🏽
PORTAL DE NOTÍCIAS
📲ODEMOCRATA
🌎SEMPRE CONECTADO COM VOÇÊ🖥️

fonte:

g1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *