Medo do desemprego é um dos maiores em 22 anos, aponta CNI - O Democrata - O Democrata O Democrata - Noticia toda hora

Medo do desemprego é um dos maiores em 22 anos, aponta CNI

Preocupação com postos de trabalho cresceu mais entre pessoas com menor grau de instrução e, também, no segmento masculino

Nacional

10 meses atrás

Estudo divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) revela que poucas vezes nos últimos 22 anos os brasileiros ficaram tão preocupados com o mercado de trabalho quanto agora. O Índice de Medo do Desemprego (IMD) de junho cresceu 4,2 pontos em relação ao de março, e atingiu 67,9 pontos, o maior da série histórica do levantamento iniciada em maio de 1996, empatado com os índices de maio de 1999 e de junho de 2016

O índice de junho está 18,3 pontos acima da média histórica, que é de 49,6 pontos. O indicador varia de 0 a 100 pontos e, quanto maior o valor, maior o temor. “O medo do desemprego voltou para o maior nível que tinha alcançado durante a crise, porque a recuperação da economia está muito lenta e as pessoas ainda não perceberam a queda da inflação e a melhora no emprego”, comenta o gerente-executivo de Pesquisas e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca.

Pelo levantamento, o receio vem crescendo mais no segmento masculino. Enquanto entre as mulheres o medo teve alta de 2,8 pontos de março a junho, entre eles, o aumento é de 5,6 pontos. Mesmo com a alta no público masculino, as mulheres continuam sendo a parcela da população com mais medo do desemprego – elas com índice de 71,1 pontos, e eles, 64,5 pontos.

A preocupação maior com emprego também está entre os brasileiros com menor grau de instrução. “Entre os que possuem até a quarta série do ensino fundamental, o indicador sobe de 62 para 72,4 pontos, ou seja, um aumento de 10,4 pontos. Entre os que possuem educação superior, o IMD passa de 59,9 para 60,5 pontos, o menor entre os extratos de grau de instrução”, diz o estudo.

Satisfação
Outro levantamento divulgado nesta quarta-feira (11/7) pela CNI, o Índice de Satisfação com a Vida também teve uma piora, e caiu para 64,8 pontos, o menor nível desde junho de 2016, quando alcançou 64,5 pontos. Esse indicador também varia de 0 a 100 pontos. Quanto menor o indicador, menor é a satisfação com a vida.

“Isso é reflexo do aumento do desemprego e de outras questões que envolvem a baixa expectativa sobre a melhora da situação financeira das pessoas e até mesmo as incertezas políticas”, avalia Fonseca. “Os dois indicadores mostram que as perspectivas da população para o futuro são pessimistas. As pessoas ainda não estão confiantes de que o país está saindo da crise”, explica o texto.

A pesquisa mostra que a satisfação com a vida está menor na Região Sul, onde o indicador caiu 5,3 pontos entre março e junho e ficou em 63,8 pontos. Nas demais regiões, a retração foi inferior a 2,3 pontos. Depois do Sul, a satisfação com a vida é menor no Norte/Centro-Oeste (64,9 pontos), seguido de Nordeste (65 pontos) e Sudeste (65,1 pontos)

Os dois levantamentos são trimestrais. Esta edição ouviu 2 mil pessoas em 128 municípios entre os dias 21 e 24 de junho. (Com informações da CNI)

Fonte: Metrópoles
últimas noticias
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade