Chacina: suspeito morava em chácara antes de família mudar para o local

Horácio Carlos Ferreira Barbosa, 49 anos, suspeito de participar da maior chacina do Distrito Federal, seria morador do condomínio Entrelagos, no Itapoã, muito antes das vítimas Marcos Antônio Lopes de Oliveira, 54, Renata Juliene Belchior, 52, e Gabriela Belchior de Oliveira, 25, mudarem-se para o local. Eles estão entre as 10 integrantes da mesma família assassinados neste mês.

Segundo o depoimento do namorado de Gabriela à Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), quando a namorada e os pais dela mudaram-se para a casa, há alguns anos, Horácio, bem como a avó paterna e um tio falecido da jovem, residiam no local. Com a chegada de Renata à chácara, porém, a mãe de Marcos resolveu procurar outro lugar para viver, pois, de acordo com o rapaz, as duas “frequentemente se desentediam”.

Um depoimento de Renata à polícia, em 2021, confirma uma das versões apresentadas pelo rapaz. À época a mulher teria dito que ela e a filha residiam no endereço localizado no Itapoã há cerca de um ano. Ou seja, desde 2020.

No período em que prestou o esclarecimento, Renata contou que o marido Marcos Antônio Lopes de Oliveira, 54, teria dito ter “ajeitado um local para que eles morassem”- referindo-se à chácara, mas não soube explicar como foi o acordo firmado pelo homem para que a família morasse no local.

Fabrício Silva Canhedo, 34 anos; Horácio Carlos Ferreira Barbosa, 49 anos; e Gideon Batista de Menezes, 55 anos, estão presos após assumirem participação no sumiço da famíliaRepprodução

Montagem vítimas de chacina em família no DF - Metrópoles

Elizamar e os filhos pequenos foram mortosArquivo Pessoal

A declaração de Renata foi dada à Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) durante um processo respondido por Marcos – em um caso envolvendo roubo de um veículo, em 2021.

Preso após confessar participação na chacina, Horácio teria confirmado ter morado no mesmo terreno em que a família que ele assassinou e que, no local, trabalhava com Marcos Antônio. O homem, assim como os outros suspeitos, responderão por extorsão mediante sequestro, ocultação de cadáver e associação criminosa.

Organograma de envolvidos em chacina de 10 pessoas da mesma família

O caso

Na manhã de quarta-feira (25/1), a confirmação de morte da 10ª integrante de uma mesma família — vítima da maior chacina do DF — foi divulgada pela polícia. Nesta quinta-feira (26/1), outra pessoa foi presa por um possível envolvimento no crime. Carlos Henrique Alves da Silva, 27 anos, foi detido no Condomínio Del Lago, no Itapoã, e encaminhado a 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), onde prestará depoimento.

Dia após dia, a tragédia que envolve a morte de 10 pessoas ganha novos capítulos. Até o momento, cinco suspeitos foram detidos por participarem da barbárie e um adolescente é investigado.

A reportagem cruzou depoimentos de suspeitos de envolvimento no crime, bem como relatos de familiares e testemunhas à polícia, para explicar a cronologia dos fatos. Confira:

25/12 — Segundo relatou o namorado de Gabriela à polícia, ele passou o Natal com os familiares da jovem e retornou para casa dois dias depois. Na ocasião, os documentos de Renata sido esquecidos com ele.

28/12 — Conforme depoimento dele à polícia, a jovem teria “sumido” em 28 de dezembro e voltado a responder o companheiro à noite, na mesma data, dizendo que precisou viajar de última hora, pois o “pai teria de fazer alguns exames”.

31/12 — Após dois dias seguidos sem responder, Gabriela teria mandado uma mensagem de áudio para o namorado, dizendo que voltaria para casa em 1º de janeiro. Desconfiado da história, o jovem checou um aplicativo de localização que dividia com a companheira e verificou que o celular dela estava em Planaltina. Ao sentir que algo estaria errado, ele mandou prints para Gabriela e passou a confrontá-la.

2/1 — Gabriela e a mãe, Renata, enviaram um áudio para o jovem, dizendo que um “processo relacionado a um trator do pai dela” — Marcos Antônio — teve “problemas” e que, por isso, a família precisou fugir. Desde então, não responderam mais.

Preocupado, o jovem entrou em contato com Thiago Gabriel, irmão de Gabriela, que teria respondido “não saber de nada”. Dias depois, Thiago Gabriel procurou o cunhado para pedir os documentos da mãe, Renata. Nesse momento, na tentativa de encaminhar a conversa dos dois para um terceiro, Thiago Gabriel reencaminhou as mensagens por engano para o próprio cunhado. Ao perceber o erro, o marido de Elizamar apagou a mensagem imediatamente.

11/1 — Após tentativas frustradas de falar com a namorada e de entregar os documentos da sogra, o jovem pediu para que Thiago Gabriel enviasse uma localização, para que pudesse deixar os pertences de Renata. Thiago Gabriel respondeu com a localização da casa onde mora, em Santa Maria. Contudo, outra situação atrapalhou o plano. Essa, segundo o depoente, foi a última vez em que conseguiu conversar com o cunhado.

Dias depois, tentou novamente contatar Thiago Gabriel, mas não teve retorno. Por isso, resolveu ir à de Gabriela, mas nada encontrou.

12/1 — Elizamar desaparece com os filhos, após dirigir até a casa dos sogros para buscar o marido Thiago Gabriel.

13/1 — Sem conseguir contatar a mãe, uma das filhas de Elizamar consegue conversar com Thiago Gabriel. O padrasto disse que “teve uma discussão com a esposa” e que a mãe teria ido embora sem ele. Ele teria acrescentado que estava “arrumando as coisas para viajar com o pai”, Marcos Antônio.

Horas depois, o carro de Elizamar, um Renault Clio preto, é encontrado carbonizado, com quatro corpos dentro, no Km 69 da rodovia GO-436, em Luziânia (GO).

Núbia, irmã de Renata, disse que recebeu um áudio no grupo da família, por volta das 21h, com uma mensagem de Renata dizendo que estava em uma vaquejada e que voltaria para casa no dia seguinte.

14/1 — Filho de Elizamar registra o desaparecimento da mãe e dos três irmãos mais novos: os gêmeos Rafael e Rafaela da Silva, 6 anos, e Gabriel da Silva, 7.

Momentos depois, um Fiat Siena branco, em nome de Marcos Antônio, é encontrado carbonizado, com duas pessoas dentro, na BR-251, na altura de Unaí (MG).

15/1 — Núbia registra boletim de ocorrência sobre o desaparecimento da irmã, Renata; do cunhado, Marcos Antônio; e dos filhos do casal, Gabriela e Thiago.

A inteligência da Polícia Civil de três unidades da Federação cruza dados de boletins de desaparecimentos registrados com as placas dos carros carbonizados.

16/1 — A polícia registra boletim de ocorrência sobre o desaparecimento de Cláudia Regina Marques de Oliveira e Ana Beatriz Marques de Oliveira.

17/1 — Polícia prende dois suspeitosGideon Batista de Menezes e Horácio Carlos Ferreira Barbosa.

Os suspeitos apontam Marcos Antônio e Thiago Gabriel como mandantes dos assassinatos. Os detidos afirmaram que as mortes teriam sido motivadas por causa de R$ 500 mil.

A polícia prende Fabrício Silva Canhedo, terceiro suspeito de envolvimento no crime.

18/1 — Polícia verifica que corpos encontrados em carro carbonizado em Unaí (MG) eram de mulheres.

Corpo é encontrado em cativeiro onde parte de integrantes da família eram mantidos em cárcere.

A Polícia Civil do DF descarta envolvimento de pai e filho na chacina da família.

19/1 — Corpos encontrados em carro carbonizado em Luziânia (GO) são de Elizamar e de três filhos dela, segundo a PCDF.

Corpo encontrado em cativeiro é de Marcos Antônio, sogro de Elizamar.

20/1 — Perícia encontra sangue em sacola e respingos no chão de cativeiro.

22/1 — Polícia identifica e busca quarto suspeito por participação no crime: Carlomam dos Santos Nogueira. Ele é integrante da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) e foi alvo de operação da PCDF enquanto ficou preso no Complexo Penitenciário da Papuda, em 2018.

23/1 — Um bilhete encontrado dentro do cativeiro teria atraído Elizamar e a família para a morte.

No mesmo dia, a polícia apreende mais um carro ligado a suspeitos da chacina da família.

24/1 — Vídeo obtido pela PCDF mostra Carlomam Santos Nogueira em celebração com Fabrício Silva Canhedo. Ambos se conheciam antes do crime.

Três corpos são encontrados em cisterna de casa abandonada, no Núcleo Rural Santos Dumont, em Planaltina (DF). O endereço fica a cerca de 5km do cativeiro onde vítimas da chacina foram mantidas reféns.

A PCDF trabalha com a tese de que integrantes da mesma família teriam sido vítimas de extorsão.

No mesmo dia, a equipe de necropapiloscopia da corporação constata que dois dos três corpos encontrados em cisterna eram de Thiago Gabriel e Cláudia Regina.

A perícia também confirma que os corpos achados no carro carbonizado em Unaí (MG) são de Renata e Gabriela.

Horas mais tarde, um adolescente de 17 anos é encaminhado à 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) por suspeita de envolvimento na chacina. Em depoimento informal a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), o jovem teria dito que recebeu R$ 2 mil e, depois, ganharia mais R$ 3 mil de Horácio Barbosa para ajudar no plano criminoso.

25/1 — A Polícia Civil do DF procura mais um suspeito de participar da chacina.

Horas depois, a corporação confirma que o terceiro corpo encontrado na cisterna é de Ana Beatriz.

À tarde, Carlomam se entrega à 30ª Delegacia de Polícia (São Sebastião).

26/1 — A PCDF prende o quinto suspeito de envolvimento no crime: Carlos Henrique Alves da Silva, 27 anos, conhecido como “Galego”.

Siga ODEMOCRATA no Instagram pelo link www.instagram.com/odemocrata ou Facebook link: www.facebook.com/portalodemocrata , acesse📰noticias variadas do📍Distrito Federal entorno de Brasília, Brasil e do 🌎mundo deixe seu comentário🗣

✅ANUNCIE CONOSCO🟩WhatsApp📱(61)98426-5564📱(61)99414-6986
✅Confira nossa tabela de preço. Fazemos permutas e parcerias🤝🏽
PORTAL DE NOTÍCIAS📲ODEMOCRATA🌎SEMPRE CONECTADO COM VOÇÊ🖥️

fonte:

Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *