ODemocrata

“Um azar nunca vem só”: mulher atacada por falcão e cobra ao mesmo tempo

Peggy Jones, de 64 anos, estava a cortar a relva do seu quintal numa cidade do Texas, nos Estados Unidos, quando a ave de rapina deixou cair em cima de si o “jantar” e tentou recuperá-lo.

"Um azar nunca vem só": mulher atacada por falcão e cobra ao mesmo tempo

É caso para dizer: “um azar nunca vem só”. Desta forma se poderia resumir um incidente que levou a história de Peggy Jones a ser contada pelo mundo fora. A norte-americana, de 64 anos, viu uma cobra “cair” do céu, acabando atacada pelo réptil e por um falcão ao mesmo tempo

Peggy contou aos meios de comunicação locais que tudo aconteceu na tarde quente de 25 de julho, na cidade de Silsbee, Texas, quando se encontrava a cortar a grama com o marido. Do nada, caiu-lhe uma cobra em cima e o animal começou a enrolar-se ao seu braço.

Rapidamente percebeu a origem do réptil, pois o falcão que o deixara cair e que faria dele o “jantar” avançou para a presa e a mulher sentiu as suas garras no braço direito.

“Tentei sacudir a cobra do braço e ela enrolou-se a mim. Começou a atacar-me o rosto, batia-me nos óculos”, contou Peggy, descrevendo depois como “o falcão tentou apanhar a cobra com as garras”, mas acabou por atingir também o seu braço.

Só ao fim de minutos que lhe pareceram horas é que Peggy conseguiu ver-se livre dos dois animais. Ensanguentada, conseguiu encontrar o marido, que estava noutra zona da propriedade e a levou para o hospital.

A mulher recebeu tratamento para os cortes que sofreu, tomou antibióticos para prevenir infeções e ficou uma noite em observação para prevenir qualquer reação, caso a cobra fosse venenosa. Ainda assim, Peggy acredita que a cobra não lhe mordeu, mas que apenas a “chicoteou” com o corpo.

“Acho que entrei em modo de sobrevivência. A adrenalina tomou conta de mim e chegou a um ponto em que, antes do falcão aparecer, que pensei que não me conseguia livrar da cobra e ia morrer ali”, desabafou.

Um caso que deixou marcas também psicológicas. Peggy, que diz nunca ter tido “problemas para dormir”, conta agora que desde o incidente mal tem conseguido descansar, acordando várias vezes “com pesadelos”.

fonte:

SIC Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *