Sargento da PMDF é preso após agredir esposa e filha por irem à igreja

Bêbado, o 2º sargento Audir Beira Monteiro, 51 anos, chegou a resistir à prisão e se trancou em casa quando PMs de Goiás chegaram ao local

Arma apreendida

Um sargento da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) foi preso em flagrante, na noite de sexta-feira (8/9), após agredir e xingar a esposa e a filha, em Valparaíso (GO). Bêbado, o 2º sargento Audir Beira Monteiro, 51 anos, chegou a resistir à prisão e se trancou em casa quando policiais militares de Goiás chegaram ao local para atender a ocorrência.

A companheira e a filha do militar receberam socos e tapas quando chegavam da igreja. Bêbado, o policial precisou ser segurado por um dos filhos, mas conseguiu atingir as vítimas, que sofreram escoriações leves. As mulheres foram xingadas de “vagabundas”, “vadias” e “putas”. A filha do sargento teve os óculos danificados em razão da agressão.

As duas vítimas ainda foram ameaçadas de morte caso voltassem para casa. Quando as viaturas da PM de Goiás chegaram ao local, alguns familiares tentavam conter o sargento da PMDF. Quando recebeu voz de prisão, o militar resistiu e precisou ser algemado.

Fiança

Na delegacia, o militar contou que teria ficado irritado com o fato de a esposa e a filha terem ido à igreja no dia anterior e chegado tarde em casa. O mesmo teria acontecido na noite de sexta. Audir foi autuado por injúria, ameaça e vias de fato.

O delegado do Centro Integrado de Operações em Segurança (Ciops) de Valparaíso estipulou fiança de R$ 2 mil. O militar pagou a quantia e foi liberado. Ele deverá responder ao processo em liberdade.

Siga ODEMOCRATA no Instagram pelo link www.instagram.com/odemocrata
📰Leia e veja as melhores notícias do Distrito Federal, entorno de Brasília, Brasil e do mundo🌎dando ênfase para notícias regionais📍e de utilidade pública.
✔️ANUNCIE CONOSCO
🟩WhatsApp📱(61)98426-5564📱(61)99414-6986
✅Confira nossa tabela de preço. Fazemos permutas e parcerias🤝🏽
PORTAL DE NOTÍCIAS
📲ODEMOCRATA
🌎SEMPRE CONECTADO COM VOÇÊ🖥️

fonte:

Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *