O homem que sobreviveu por 60 horas no fundo do mar após naufrágio de barco

O nigeriano Harrison Okene era cozinheiro em um barco que naufragou repentinamente em maio de 2013

Um nigeriano trabalhava como cozinheiro a bordo de um rebocador (um barco que auxilia as manobras de navios e outras embarcações na área portuária de forma segura) chamado Jascon 4, que estava a cerca de 32 quilômetros da costa da Nigéria, quando naufragou devido a uma falha súbita.

“Eu tinha acabado de ir ao banheiro. Fechei a porta e estava sentado no vaso sanitário quando o barco virou para o lado esquerdo”, lembrou Harrison Okene em uma recente entrevista ao programa de rádio BBC Outlook.

O naufrágio foi tão rápido que nenhum dos 13 tripulantes conseguiu chegar à superfície antes de o navio se encher de água.

“A próxima coisa que vi foi o vaso sanitário sobre o qual estava sentado, que de repente estava sobre minha cabeça”, narrou Harrison. “A luz se apagou e eu ouvi as pessoas gritando. Consegui abrir a porta e sair, mas não consegui encontrar ninguém. A força da água me empurrou para uma das cabines e fiquei preso lá”.

O que ele nunca imaginou naquele momento de pânico foi que aquele jato de água seria também uma sorte.

Isso o empurrou em direção a uma bolha de ar, um oásis de oxigênio que lhe permitiria realizar uma façanha impensável: sobreviver por quase 3 dias no fundo do mar. Um naufrágio que custaria a vida de toda a equipe do Jascon 4 naquele fatídico 26 de maio de 2013.

Reprodução de como o Jascon 4 foi deixado, no fundo do mar, e onde estava a bolsa de ar que permitiu que Harrison Okene se mantivesse vivo — Foto: Reprodução

Marinheiro inexperiente

Diferentemente de muitos de seus colegas, Harrison não tinha muita experiência como marinheiro.

O cozinheiro compartilhou com o Outlook que, na verdade, “nunca tinha colocado os pés em um navio” antes de conseguir um emprego a bordo de uma embarcação em 2010.

Harrison havia sido o chef de cozinha de um hotel, o que o permitia sustentar sua esposa e filhos.

No entanto, à medida que o boom petrolífero offshore cresceu em seu estado natal, Delta State, ele percebeu que poderia ganhar muito mais dinheiro sendo chef a bordo de um dos muitos navios envolvidos na extração de petróleo do fundo do mar.

Ele lembra que sua primeira experiência não foi muito auspiciosa. “Embora eu gostasse da água, desde o momento em que entrei no navio, tive enjoo e passei três dias rastejando pelo chão, vomitando e cozinhando ao mesmo tempo”, relatou. “Mas depois de três dias, já estava perfeitamente bem, e desde então nunca mais sofri com o enjoo no oceano.”

Após esse pequeno contratempo, descobriu que era muito mais feliz trabalhando em um navio, onde só precisava servir a 12 pessoas, em vez das centenas a que estava acostumado no hotel. Além disso, o emprego marítimo tinha outras vantagens.

“Quanto mais longa é a viagem, mais você é pago, e você não gasta, não tem como gastar. Então, quando volta à terra, tem todo esse dinheiro disponível. Portanto, estava aproveitando o trabalho”, afirmou.

A perfuração de petróleo no Atlântico, ao largo da costa onde Harrison vive, oferece empregos lucrativos para os habitantes locais. — Foto: Reprodução

Apesar de sua falta de experiência, Harrison não tinha medo de viver sobre o mar.

“Eu me sentia muito bem porque gosto do ambiente, é muito tranquilo, silencioso, não há barulhos, a única coisa que você sente é o balanço do navio”, descreve.

Ele até se acostumou a amarrar todas as suas panelas e frigideiras com cordas, para que não caíssem com a maré.

Nem mesmo um pesadelo que teve, no qual seu barco afundava, conseguiu deixá-lo nervoso.

“Eu ri quando acordei, pensei: ‘Não foi real'”, contou, esclarecendo que “no sonho não morria”.

O afundamento do Jascon 4

Em maio de 2013, Harrison começou a trabalhar no Jascon 4. Embora não conhecesse o navio, ele já havia navegado anteriormente com o resto da tripulação.

“Éramos amigos, éramos muito próximos”, relata, dizendo que muitos “me tratavam como uma mãe, compartilhando comigo suas ideias e suas tristezas. Eu dava os poucos conselhos que podia para ajudá-los”.

Em 25 de maio, o rebocador havia trabalhado duro, estabilizando um petroleiro em uma plataforma da Chevron em meio a um mar agitado por uma tempestade.

Naquela madrugada, Harrison acordou e foi para a cozinha preparar as coisas, como de costume. Até que ele foi ao banheiro e de repente tudo mudou.

Ele lembra de sentir o navio afundando. “Estava afundando rapidamente. Eu estava em pânico. Ouvi as pessoas gritando, chorando. Eram cinco para as dez da manhã, então alguns dos meus colegas ainda estavam dormindo. Eles gritavam por socorro. Você podia ouvir a água borbulhando enquanto entrava nos diferentes compartimentos e depois, silêncio”.

Quando o navio finalmente encalhou no fundo do mar, a cerca de 30 metros da superfície, Harrison era o único sobrevivente. Ele estava preso em um espaço pequeno, com água até a cintura. Estava escuro e frio.

Naquele momento, ele pensou que alguém viria resgatá-lo, mas dois dias se passaram e nada aconteceu.

Ele conseguiu encontrar uma lanterna presa a um colete salva-vidas. Desesperado para escapar, nadou através de uma porta submersa até a próxima cabine em busca de uma saída. Mas não encontrou nada. Em seguida, sua lanterna se apagou e ele ficou na escuridão completa.

Ele lembra de sentir peixes comendo sua pele ferida pelos golpes durante o naufrágio. “Eu estava vestido apenas com cuecas”, explica.

“Pensei na minha esposa, na minha mãe. Passei o tempo cantando louvores”, lembra.

Foi assim por 60 horas. Sem comida nem bebida, e ciente de que o oxigênio em sua milagrosa bolha de ar estava se esgotando.

Entretanto…

Em terra, as famílias dos tripulantes foram informadas de que todos haviam morrido, e a empresa proprietária do Jascon 4, a West African Ventures, contratou especialistas para recuperar os corpos.

A empresa de mergulho neerlandesa DCN Global foi encarregada de realizar essa missão.

A empresa enviou três mergulhadores para o barco afundado, coordenados por um supervisor que podia acompanhar suas ações por meio de uma câmera de um barco na superfície.

Os mergulhadores foram levados até o fundo do mar em uma câmara pressurizada.

Harrison conseguia ouvi-los enquanto quebravam as portas para entrar no navio. Ele começou a bater nas paredes da cabine para chamar a atenção deles.

Ele estava desesperado. “Quase não havia mais oxigênio na bolha de ar, estava difícil respirar.”

A primeira coisa que ele viu foi o reflexo de uma lanterna. “Eu mergulhei debaixo d’água para tentar seguir aquela lanterna e, quando vi a água borbulhando, sabia que era um mergulhador”.

O homem em questão, Nicolaas van Heerden, mais tarde contou à Outlook que sentir alguém agarrá-lo “foi o momento mais aterrorizante de toda a minha carreira, embora obviamente o terror tenha sido rapidamente substituído pela adrenalina e emoção de encontrar alguém vivo”.

“Só queria tocá-lo e me afastar porque sabia que ele ficaria assustado e eu não queria machucá-lo”, relata Harrison, que dizem que “também estava com medo” e que estava tão surpreso por ter sobrevivido que nem “tinha certeza se ele era humano”.

Nicolaas explica que encontrar Harrison vivo foi apenas o começo da operação de resgate.

“Não podíamos simplesmente trazê-lo à superfície. Tivemos que descomprimi-lo e encontrar uma maneira segura de tirá-lo.”

Os socorristas trouxeram um equipamento de mergulho para ele e explicaram como usá-lo. Em seguida, o guiaram lentamente através do navio afundado.

“Estava tudo cheio de lama, não se via nada”, relata Harrison, que viveu o momento com calma.

Quando entrou na câmara pressurizada e percebeu que era o único sobrevivente, começou a chorar.

“Sobrevivi, mas é uma experiência que não desejo a ninguém”, afirma.

Depois de três dias no fundo do mar, Harrison teve que passar mais três dias em uma câmara de descompressão no navio, para normalizar seus níveis de nitrogênio, que sob alta pressão se acumulam nos tecidos e podem causar um ataque cardíaco.

Enquanto isso, sua família foi informada de que ele havia sido encontrado com vida. “Minha esposa desmaiou e teve que ser levada ao hospital, mas estava bem”.

Após o terceiro dia, ele foi transferido de helicóptero para o hospital e, após uma avaliação, foi autorizado a voltar para casa, onde não apenas sua família o esperava, mas também muitas pessoas que haviam ouvido falar do milagre.

Nos dias seguintes, sua incrível história de sobrevivência deu a volta ao mundo depois que os mergulhadores que o encontraram publicaram o vídeo do incrível resgate nas redes sociais.

Incrivelmente, embora Harrison tenha prometido nunca mais se aproximar da água, um acidente ocorrido algum tempo depois, no qual seu carro saiu de uma ponte e afundou em um lago (ele conseguiu sair novamente e até salvou seu acompanhante), o levou a tomar uma decisão inesperada: ele se tornou um mergulhador profissional.

“Após o primeiro incidente, eu disse que nunca mais voltaria ao oceano, mas continuo lá porque sei que é onde devo estar, é o meu ambiente e sempre estarei perto dele”, diz.

“É meu destino, é como Deus quis que fosse”.

Siga ODEMOCRATA no Instagram pelo link www.instagram.com/odemocrata
📰Leia e veja as melhores notícias do Distrito Federal, entorno de Brasília, Brasil e do mundo🌎dando ênfase para notícias regionais📍e de utilidade pública.
✔️ANUNCIE CONOSCO
🟩WhatsApp📱(61)98426-5564📱(61)99414-6986
✅Confira nossa tabela de preço. Fazemos permutas e parcerias🤝🏽
PORTAL DE NOTÍCIAS
📲ODEMOCRATA
🌎SEMPRE CONECTADO COM VOÇÊ🖥️

fonte:

g1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *